sábado, 18 de janeiro de 2014

2ª temporada: Capítulo 1 - Training day

Heeeey! Finalmente a segunda temporada, né? =D A gente se vê no final do capítulo. Não deixem de ler as notas finais.
Beijosssss

Miley Narrando



Sentindo o cheiro da brisa carregada de maresia e finalmente desperta pela luz do sol que inundava o quarto, eu abri meus olhos preguiçosamente. Olhei para o meu lado e o espaço onde o Nick dormiu estava vazio. Será que eu dormi demais? Geralmente, no dia seguinte de noites quentes, eu acabava dormindo mais do que o normal. Bom, o Nick também, mas pelo visto, ele já estava acordado faz um tempo.

Sorri comigo mesma feito uma idiota ao me lembrar de ontem a noite. Eu podia sentir até agora alguns hematomas dos chupões mais do que entusiasmados de Nicholas. Mordi o lábio inferior. Os sussurros e frases sujas que ele havia me dito ontem estão me causando efeito até agora. Ok, hora de voltar à realidade. Puxei meu cabelo rebelde para trás, na tentativa de domá-lo. Há muito o que se fazer hoje. Venci a preguiça e me levantei para ir ao banheiro.    
          
            Encarei meu reflexo no espelho e suspirei. Amanhã eu faço aniversário. Faz quase um ano que estou aqui, numa casa de praia de uma pequena e charmosa cidade que fica no litoral da Itália. Eu mudei um pouco durante esse tempo. Deixei meu cabelo voltar ao seu estado natural. Ele carrega um tom de castanho escuro e está ainda mais ondulado, me deixado com um ar mais jovial. No começo, eu achei menininha demais pra mim, mas Nick estava adorando e depois acabei percebendo que dava mais leveza e naturalidade ao meu rosto constantemente bronzeado. Então eu acabei deixando assim.

Mas não foram mudanças físicas que me marcaram nesse meio tempo. Pela primeira vez depois de muitos anos, eu irei passar meu aniversário sem me preocupar com golpes e planos para vingança. Sem aquele vazio no peito insuportável que me atormentava. Isso não quer dizer que eu vivo numa completa utopia. Não. Ainda sinto raiva do Paul, ainda sinto falta da minha família e principalmente do meu pai. Sem contar com os pesadelos. O Nick me ajudou tanto a espantá-los, mas vez ou outra eles ainda aparecem para me fazer lembrar tudo o que vivi e fiz. Hoje em dia eu não os tenho com constância, porém ainda vem perturbar o meu sono.

            Fazer o que? As feridas saram, as cicatrizes permanecem para contar história. Eu apenas tenho que aprender a lidar com elas para ser feliz. E tenho aprendido. Eu aprendo pouco a pouco a cada dia que passo nesse lugar com o meu namorado.              

            Minutos depois, desci as escadas da grande casa. Sem me importar muito em trocar de roupa, continuei só com a camisa de Nick e minha calcinha. Só tinha a gente aqui, mesmo. Eu estava morrendo de fome! Procurei com os olhos algum café da manhã farto na mesa, mas só encontrei uma tigela vazia, uma caixa de leite e caixa de cereais ao lado. Franzi o nariz, mas depois eu soltei uma risada. O que eu esperava do Nick com os seus dotes de mestre cuca?              

            Ouvi da sala mesmo um barulho de água. Fui até a parte descoberta e avistei Nick atravessar a piscina em rápidas braçadas e dar uma ágil e rápida cambalhota na água para fazer o caminho contrário. Eu me escorei na batente da enorme porta. Ele sempre faz isso para manter seu físico, já que por aqui o baseball não é muito comum entre seus amigos de faculdade.          

Quando ele me percebeu parada o assistindo, ele parou sua atividade e lançou um sorriso animado pra mim.



- Bom dia, dorminhoca.

- Bom dia, gostosão. - respondi bem humorada.

E que gostosão! Nick se apoiou sobre os braços flexionados na borda da piscina, saindo de lá. 


Invejei cada gota que escorria pelo seu corpo atlético. Uma delas escorreu da sua barriga, umbigo, até entrar na sua sunga. Eu tive que morder o lábio ao sentir um calor súbito tomar conta do meu corpo.Quando eu me toquei, Nick me encarava com um sorriso sapeca no rosto.                

-O que a senhorita estava olhando, hein?               

 -Advinha. - eu deixei transparecer todas as minhas intenções, quando eu arqueei as sobrancelhas e puxei meus lábios em um sorriso.             

-Vem cá e me fala o que é. - ele disse se aproximando de mim. Um brilho maldoso nos seus pequenos olhos castanhos.             

             -Ah não! Já sei que você vai fazer. - me lembrei das suas brincadeiras comigo. Foi tarde demais. Quando eu me virei e comecei a correr para dentro de casa, Nick me puxou pela cintura e juntando nossos corpos e me molhando toda. Eu soltei um grito, mas depois eu comecei a rir junto com ele. Eu tentava me livrar de seus braços. - Eu acabei de acordar. Isso é covardia! - eu exclamei, com esperanças que o Nick tivesse alguma piedade. 

- Estou nem aí. -ele apertou os seus braços ao meu redor, me impedindo de me mexer.

-E nem comi ainda. Pode fazer mal. – contestei.                

-Dizem que não pode pular na piscina depois de comer, não antes. - Nick disse me pegando no colo e jogando sobre o seu ombro. Ele me segurou firme pelas minhas coxas, rindo do meu chilique por causa da água fria. Eu bati os pés terminantemente, como uma criança de birra.

-Eu vou contar até três para você me colocar no chão. – eu falei alto para que ouvisse bem. Ele ignorou e continuou a caminhar até a borda da piscina. – Um... Dois... Três! - bati com toda força na sua bunda. Em vingança, Nick aproveitou minha posição vulnerável e mordeu a minha. Eu reclamei com um “ai” estridente, apesar de ter gostado. – Me solta!               

            -Tá bom. – ele disse antes de me jogar na piscina e logo depois pular ao meu lado.                

A água estava mesmo fria. Senti todo o meu corpo arrepiar-se com a temperatura baixa. Cretino! Eu joguei água no seu rosto quando submergimos. Nick se divertiu com o meu nervosismo, soltando uma risada. Eu cruzei os braços.

-Um dia eu vou ter o prazer também de fazer algo a altura com você!              

-O que? A mordida na bunda ou pular na piscina?- perguntou se aproximando de mim, e me encurralando contra a parede da piscina.                

-Os dois. - eu sorri, não conseguindo manter a seriedade.               

-Eu adoraria. - sussurrou juntando nossos corpos e diminuindo aos poucos com a distância entre nossos lábios.                

Eu envolvi minhas pernas em sua cintura, acabando com qualquer vácuo entre nós dois, sem tirar olhos dos suas órbitas escuras. Nick me fazia tão bem que eu conseguia esquecer qualquer coisa fora do nosso mundinho particular. Que o mundo se exploda! Ele é a principal razão da minha felicidade hoje.Suas mãos fizeram uma trilha lenta e provocativa das minhas coxas, indo para o meu quadril, meus seios, meu pescoço, até o meu rosto. Nick me fitava intensamente, observando cada detalhe do meu rosto. Isso me fazia sentir a mulher mais linda desse mundo. Tudo o que ele faz, me faz sentir desejada. Seus olhos pairaram sobre a minha boca. Só com esse olhar, eu pude imaginá-lo me beijando quente, mordendo e sugando meus lábios. Antes que ele desse a iniciativa, eu o puxei para um beijo.Meus lábios deixaram sua boca e partiu para o seu pescoço, mordicando a sua pele. Mesmo molhado, Nick ainda exalava o seu perfume suavemente. Apertei seus ombros, quando senti o começo de uma ereção roçar entre as minhas pernas. Nick sugou o lóbulo da minha orelha. Ah, isso era bom...

Um toque estridente nos tirou a atenção. Nick parou no mesmo instante de me acariciar. Era o seu celular que tocava em cima da mesinha em frente à piscina. Rolei os olhos.

-Vou ter que atender. – ele disse se distanciando um pouco de mim. Eu tive que ficar de pé novamente.

-Deixa tocar. – choraminguei, o puxando pela cintura para mim de novo.

-Não posso, Miles. É importante. – ele respondeu igualmente desanimado.

-O que pode ser tão importante num sábado de manhã? – eu cruzei os braços.

Nicholas não me respondeu. Apenas suspirou e me deu um selinho. – Eu prometo que vai ter recompensa depois. A gente tem o dia inteiro para isso. – disse antes de sair da piscina e correr até o celular para atendê-lo.

Não, não temos o dia inteiro. Agora me veio à lembrança que eu tinha chamado Chad para vir para cá. Ele vem me ajudar a ensinar algumas lições de autodefesa para Nick. Eu tinha me esquecido de avisá-lo, mas eu queria deixa-lo mais preparado. Nicholas já teve que passar por duas situações nada boas por causa do seu dinheiro. Uma comigo e minha gangue, que não só por dinheiro, mas conta. E daquela vez que ele foi sequestrado. Eu achei que seria bom para ele aprender a se virar em situações ruins como essa.

Saí da piscina, também. Eu estava excitada e com fome, por sinal. Realmente, não estou mais com aquele super bom humor com que eu acordei. Nick foi atender o celular dentro da sala. Ele conversava num tom baixo, como se quisesse esconder alguma coisa de mim. Eu não sou de ficar com ciúmes ou ser do tipo controladora, mas eu sentia uma desconfiança.

            De qualquer forma, eu sei que Nick está aprontando alguma. Fui até a cozinha, fingindo como quem não quer nada e tentei escutar a conversa, enquanto eu preparava meu cereal com leite. 

-Tá bom, fique tranquila. Eu dou um jeito. – eu só consegui ouvir isso. – Beijo, tchau. Ele se virou em direção à cozinha, onde eu estava. – Você pode ser boa em fingir, mas eu sei muito bem que você estava tentando escutar. – Nick pronunciou.

-Eu? Por que eu tentaria escutar sua conversa? – eu menti. Coloquei uma colher cheia de cereal na boca e levei a minha tigela para o lado de fora para eu não molhar ainda mais o lado de dentro da casa. Nick me seguiu.               

            -Porque pessoas normais são curiosas. – ele disse quando se sentou numa das cadeiras ao meu lado. – E sentem ciúmes.                

-Eu não sou uma pessoa normal, esqueceu?               

-Claro que não. – ele se divertiu e abriu um sorriu. – Você é boba, hein! Não é nada demais. – ele deitou na espreguiçadeira.                

-Então conta. – eu pedi antes de dar mais uma colherada.              

-Não. Agora não. Depois você vai ficar sabendo.                

-Hum... Por acaso é uma festa surpresa? Porque esse negócio de segredinho próximo do aniversário não é muita novidade.                

-Mais ou menos. – ele disse com um sorriso.                

-Tá bom... Já sei que você não vai contar de jeito nenhum. – eu disse comendo mais outra colherada.

Enquanto eu terminava de comer meu café-da-manhã, eu senti alguns olhares significativos do Nick sobre mim.

Lancei um olhar para ele curioso com a sua atenção sobre mim e Nick claramente entendeu. Ele comentou.

-Eu não consigo resistir com você vestindo minha camisa toda molhada ao meu lado desse jeito. - Nick se apoiou sobre o cotovelo, sem tirar os olhos de mim. - Você sabe como isso pode ser extremamente sexy para um homem.

-Hum... - eu coloquei minha tigela em cima da mesa ao meu lado e me virei melhor para ele. - Imagino que você esteja visualizando várias cenas impróprias comigo agora, não é? - Nick assentiu animado. - Pois é, eu também estava assim até você me largar para falar no telefone. - eu não pude deixar de dar uma alfinetada básica. - Agora vai ficar na vontade, também.

Nick jogou a cabeça para trás impaciente.- Ah, Miles! Vou ter que te lembrar que você desistiu da vingança com os Jonas? - ele brincou, vindo pra cima de mim.

-Com você  eu ainda não desisti. - eu insisti. Tentei dar uma de durona quando ele começou a espalhar beijos pelo meu rosto e começar a dar alguns estrategicamente bem próximos a minha boca.

-É o que vamos ver. - ele murmurou antes de juntar nossos lábios novamente.


Demi Narrando


Eu quebrei mais um porta-retrato contra a parede. Aquele filho da puta vai me pagar! Como ele tem coragem de me deixar na mão desse jeito? Solucei, sem mais aguentar segurar toda a minha decepção e raiva. Eu pensava que o Wilmer fosse o homem  da minha vida. Meu Deus, quantas loucuras que eu já fiz por ele? Lágrimas escorreram de meus olhos, banhando minhas bochechas. Quantas enrascadas eu já me meti com junto com ele? Eu pensava que aquilo tudo valia a pena. Vadia cega! Eu corri até o closet e comecei a rasgar as poucas roupas que restavam dele ali, descontando toda a minha frustração nelas.

Olhei a minha volta. O pequeno apartamento que nós costumávamos a dividir estava todo bagunçado. Uma parte da bagunça foi por minha raiva, a outra foi o que deixamos para trás quando nós arrumamos nossas malas para ir embora... Mais uma vez. Só que dessa vez o único que se deu o fora foi Wilmer. O desgraçado egoísta me deixou para trás, sozinha para encarar os poderosos chefões. Ele simplesmente me deixou pronta para a forca e eu mesma o ajudei a fazer o maldito nó da corda. Levei minhas mãos à cabeça. Eu não faço ideia do que fazer. Um soluço sacudiu o meu peito. Mais lágrimas desciam. Nem ao menos sei se choro por amor ou por desespero. Eu estava devendo quinze milhões de euros para a grande máfia, graças ao meu ex namorado.

Nós havíamos planejado roubar esse dinheiro e irmos embora. Quinze milhões era o suficiente para mantermos uma vida excelente por um bom tempo longe daqui. "Ladrão que rouba ladrão, tem mil anos de perdão", falava Wilmer com divertimento. Eu podia lembrar perfeitamente até agora cada detalhe do plano que fizemos juntos. E aquele pilantra já visava aquele dinheiro todo só para ele. Em nenhum momento pensou em mim. Talvez só no começo do nosso namoro. Quando eu deixei de ser uma diversão nova, ele tenha começado a me ver apenas como a imbecil que vai ajudá-lo a ficar rico.

Um toque ecoou por todo o apartamento, me assustando. Era o telefone fixo que esquecemos de desligar. Do outro lado da linha a pessoa insistia. Fechei meus olhos com força, implorando mentalmente para não serem as pessoas que eu estava imaginando. Saí do quarto em passos lentos e caminhei até à sala, onde se encontrava o aparelho sobre a mesinha de canto. Com hesitação levei minha mão até o gancho. O telefone tocou mais uma vez e não tive coragem de atender. Tocou mais outra vez e minha mão continuou imóvel.

-Olá, no momento não podemos atender. - a voz robótica da secretária eletrônica era o único som que se podia ouvir. - Deixe o recado após o bip.

-Demetria Lovato, minha bela britânica. - o sotaque italiano pesado de Leonardo Petrova era inconfundível. Senti calafrios ao saber que sabe o meu nome. E o pior. Ele sabe que eu estou sozinha. - Você e seu namoradinho acham que podem me enganar, é? - ele não parecia irritado. Sua voz era estável. - Saiba que eu quero meus quinze milhões de volta. Por bem ou por mal. Eu não me importo se ele fugiu com todo o dinheiro. Procure por ele, que venda até a alma desse traste, mas eu quero meu dinheiro de volta. Com juros, pela gracinha feita pelo casal. Você entendeu bem, meu doce? - Quando eu pensei que ele fosse desligar, Petrova continuou. - Ah, não adianta fugir, também. Eu estou de olho em você. Se quiser conversar pessoalmente como gente, sabe muito bem onde encontrar.- Então ele desligou.

Suspirei. Olhei para cima esperando que eu seja abduzida ou que alguma solução caia do céu para mim. Nenhum dos dois vai acontecer. Esse é o preço por se apaixonar como uma retardada.


Flashback

Ouvir o ronco do motor de uma Harley foi o suficiente para eu sair do prédio do dormitório campus da universidade. Corri até o moreno sexy que me esperava sobre a invejável moto e lhe dei um beijo daqueles. Eu estava explodindo de felicidade e de adrenalina. Eu estava apaixonada. Absurdamente apaixonada pelo bad boy de péssima fama pela pequena cidade inglesa que eu vivo. Eu estava no meu último ano da faculdade e simplesmente decidi jogar tudo para o alto. Foda-se. Foda-se o muito inteiro. É ele quem me faz feliz e mais ninguém!

Quando nosso beijo urgente terminou, nós nos afastamos e Wilmer sorriu.

 - Pronta? - perguntou baixo e sedutoramente.

 -Óbvio que sim!  - eu respondi, já montando na moto atrás do meu namorado. Eu tirei minha mochila das costas e coloquei entre nós dois para que não caísse. Eu abracei o seu tronco forte e aproveitei para deixar um beijo na sua nuca exposta. - Eu to pronta para qualquer coisa. - sussurrei perto seu ouvido.


-Essa é minha garota!

Flashback off


Miley Narrando


Seus lábios se afastaram dos meus e foram meu queixo e mandíbula. Ele deixava pequenas mordidas ali, enquanto sua mão boba estava sobre o meu seio. Eu suspirei de olhos fechados tentando encontrar forças para interromper o que levaria muito mais tempo para acabar.

- Nick... - eu chamei seu nome, sem muita vontade pra pará-lo. Pelo tom da minha voz, parecia até uma súplica.

-Hum...? - eu murmurou enquanto espalhava beijos pelo meu pescoço.

-Chad, pode chegar a qualquer momento. - coloquei minhas mãos sobre o seu peito o afastando.

-O que? Por que? O que ele vem fazer aqui? - Nick perguntou confuso.

-Eu esqueci de te avisar. Ele vem aqui porque eu e ele vamos te dar uma aula de auto defesa. - eu falei me endireitando na cadeira.

-Auto defesa? - Nick se levantou e colocou as mãos sobre o quadril, com um tom debochado. - Pra que isso? - ele riu.

- Para você saber se defender. Nick você é filho de um cara dá dinheiro até quando espirra. Milionários não são os principais alvos de bandidos. São OS alvos. É só dar alguma brecha que pode aparecer um pra tentar se aproveitar, como eu fiz. - me levantei, para ficar na sua altura e coloquei minhas mãos na sua nuca, puxando a sua atenção para mim. - Nem sempre eu vou poder estar por perto para uma situação como essas. Eu só quero estar tranquila sabendo que você vai saber se defender em qualquer ocasião. Só ano passado você teve que passar por duas gangues.

-Até que não foi ruim assim. Eu ganhei uma namorada bem gata no final das contas. - ele piscou e eu ri.

Nick apoiou suas mãos sobre a minha cintura, gentilmente. - Brincadeiras a parte, eu te entendo... Aliás não quero mais precisar de você para me defender.

-E qual é o problema, hein? - eu cruzei os braços. - Voce acha que nao sou capaz?

-Nao é isso. Mas eu sou homem, entendeu? Devia ser ao contrario. Eu que deveria proteger você.- me deu de ombros.

-Ah, é mesmo, macho alfa?- perguntei debochada. E ele assentiu confiante.

-Sou o macho alfa, mesmo. - ele me agarrou mais pra si com um sorriso convencido.

-Diz ser o macho alfa, mas adora quando eu estou no comando. - eu pisquei provocativa.

-Eu adoro mesmo, mas isso não quer dizer nada.

Eu ri e dei um beijinho na ponta do seu nariz. - Agora vamos nos arrumar logo, porque daqui a pouco Chad está aí.

Minutos depois de sairmos do banho, ouvi a campainha tocar. Eu ainda estava penteando o meu cabelo.- Nick, atende a porta pra mim? Eu to terminando de desembaraçar o meu cabelo. - eu disse alto do banheiro para que ele escutasse do quarto.

-Ok. Nao demora aí,não. - ele disse indo em direção as escadas.

Às vezes eu me sentia péssima em esconder a historia sobre Chad e eu pra Nick. Eu sei que deveria contar que o Chad é apaixonado por mim e que tivemos um lance de uma noite no passado, mas eu simplesmente não posso. Chad ainda é meu melhor amigo. E sei muito bem que Nick sentiria muito ciúmes dele comigo, mesmo eu deixando claro que não tem nada demais entre nós dois. Não sei. Fico com receio de prejudicar nossa amizade e a relação tranquila que tenho com o Nick. Mas uma coisa é certa. Um dia Nicholas vai saber. De um jeito ou de outro, ele vai. Só espero que não tão cedo e que até lá Chad tenha seguido em frente na vida amorosa.

Eu sinto que às vezes Chad simplesmente não suporta ficar comigo e com o Nick juntos. Eu evito, mas Nick de vez em quando me beija na sua frente, sem nenhuma maldade pois não faz ideia dos sentimentos dele por mim. Chad consegue disfarçar muito bem e realmente quem não soubesse não imaginaria a verdade. Mas olhando bem nos seus olhos eu sei o quanto o machuca. Ele já me disse que não se importava quando eu me envolvia com as minhas vitimas de golpe, porque sabia que eu não nutria nenhum sentimento por eles. Que era apenas por interesse. Mas o meu caso com o Nick é totalmente diferente. É realmente complicado lidar com uma situação como essa.

Terminei finalmente de domar o meu longo cabelo e decidi descer logo. Eu usava uma roupa para ginástica, para ficar mais confortável. Eu vou ajudar a não só usar uma arma, mas a lutar corpo a corpo. Então o meu short de corrida e a minha camisa básica são as melhores coisas para se usar agora. Nick e Chad também estão com roupas mais confortáveis de atividade física.

Quando eu cheguei no primeiro andar, os dois conversavam sobre armas. O Chad segurava uma na mão e estava o mostrando como se segura devidamente um revólver.

-Isso eu já sei mais ou menos. - disse Nick. - Tive que aprender na hora quando a Miley foi me ajudar a fugir dos sequestradores.

-Eu fiquei sabendo. Pelo que ela me disse você se saiu bem para uma primeira vez, mas você precisa aprender algumas coisas para tudo correr bem. Você sabe, se não souber manusear um revólver como esse, pode acontecer um acidente de disparar sem querer e fazer um estra... - Chad parou de falar quando percebeu a minha presença. Ele abriu um sorriso quando me viu. - E aí, Miles? Estava se embelezando para atirar, é? Lamento dizer, mas você não vai melhorar a mira se ficar mais bonita.

Até o Nick gostou do deboche e riu. Eu fiz uma careta para Chad que se divertiu mais, mas logo fui ao encontro de um abraço. Percebi uns olhares dos dois sobre o meu corpo pouco coberto, mas fingi que não vi nada.

-Você precisa melhorar nas suas piadas, Chad.

-Faço o que posso. - ele deu um sorrisinho de lado.

-Então. Vamos treinar? - perguntou Nick entusiasmado.

Nós decidimos deixar a parte da luta por último, porque cansa mais. Eu e Chad demos umas dicas básicas pro Nick que poderiam ser bem úteis. Logo depois, fomos para o enorme quintal da casa para começar com os treinos de mira. Eu não estava muito preocupada com o que as pessoas por perto possam escutar, porque as casas dessa vizinhança, pelo menos a maioria, são casas de praia de pessoas endinheiradas como o Paul que só vem aqui na época das férias. Por isso, aqui costuma ser um lugar bastante tranquilo e vazio.

-Você já deve saber que os tiros são fortes o bastante para poder jogar a arma para trás. Você lidou muito bem daquela vez na fuga, mas nunca se esqueça de manter o braço firme para não perder a mira. Às vezes a gente pode esquecer e atirar relaxado demais e acaba acertando outro lugar. - eu ia dizendo para o meu namorado, um pouco atrás dele. - Braços esticados sempre.

Nick apontava a arma em direção aos nossos "alvos" improvisados, que eram na verdade garrafas de vidro vazias sobre as pequenas mesinhas do quintal. Então ele começou a atirar de uma boa distância. Ele tinha uma mira excelente. Foram poucas as garrafas, as mais distantes, que ele não acertou por pouco. Busquei no porão mais outra leva de garrafas para mais uma tentativa. Dessa vez, eu coloquei mais algumas sobre o muro para ele poder atirar mais alto. Ele treinará até acertar todas, do mesmo jeito que eu aprendi.

A visão dele atirando era, no mínimo, fodidamente sexy. Nicholas encarava sério e extremamente concentrado os seus alvos. Os músculos dos seus braços saltavam contraídos e tentadores. A habilidade que ele tinha em atirar com tão pouca experiência, lhe dava um ar de inalcançável, como um maldito bad boy.

Poucas tentativas foram o suficiente para ele conseguir acertar dos os alvos de uma vez. Ainda sobraram bastante garrafas, então tive uma ideia.

-Agora que você já treinou com os alvos parados e foi muito bem, agora vem a parte mais difícil. - eu falei colocando aos mãos sobre a cintura. - Chad, traz mais garrafas para mim lá do porão? - eu pedi para o loiro que assentiu e foi até lá.

-O que vai ser?

-Alvos em movimento. Eu aprendi isso também. Geralmente nos conflitos a gente está correndo para se proteger ou o inimigo está correndo ou os dois. Então eu acho muito importante treinar essa parte, senão não adianta de nada.

-Tem razão. - ele disse deixando a arma em cima da mesa. -E aí? Acha que eu fui bem nessa?

-Está brincando? Você foi ótimo! - eu falei o abraçando pela sua cintura. - Além do mais, você é o atirador mais gostoso que eu já vi. - sussurrei próxima ao seu rosto.

-Isso eu já sabia. - ele sussurrou de volta com um sorriso convencido no rosto.

-Vou acabar com esse seu ego num instante, garoto. - eu falei enquanto eu apertava a sua bunda.

-Eu não sei porque, mas eu gostei disso. - Nick disse um pouco antes de sugar o meu lábio inferior. Eu senti meu corpo esquentar e fechei os olhos. Logo depois sugou o meu lábio superior e lambeu o contorno da minha boca. Ele sabe exatamente como me derreter em seus braços. Abri meu lábios para tomar sua deliciosa língua para dentro de minha boca.

Ouvi uma tosse forçada ao nosso lado e rapidamente me separei de Nick. Tinha esquecido completamente que o Chad também estava presente na casa. Seus olhos verdes se desviaram de mim quando eu olhei para ele. Chad não queria olhar para minha cara.

-Acho que um amasso não é exatamente um bom treinamento de defesa. - Nick comentou de bom humor. Eu ri para quebrar com o clima ruim e ele não perceber nada de estranho. Chad sorriu. Forçadamente, é claro.

Retomei o fôlego novamente. - Então vamos lá. Recarregue essa arma logo, porque não temos o dia todo. - disse para o Nick. Ele aprendeu hoje também a recarregar uma arma com rapidez.

Peguei a caixa cheia de garrafas que o Chad carregava e levei para o meio do quintal, onde mais ou menos eu ficaria.

-Eu vou buscar mais outras garrafas que eu trouxe no carro. - disse o loiro.

-Ok. Obrigada, Chad. - eu sorri para ele, mas o meu amigo não retribuiu. Apenas me encarou sério e deu as costas, me deixando com uma maldita culpa.

Eu voltei a minha atenção pro Nick. Ele já recarregou corretamente a arma.

 - Tudo bem. Eu vou jogar a garrafa pro alto e você vai ter que acertá-la, ok?-Parece difícil, mas vamos lá. Pode ir.

Eu estava um pouco depois da sua lateral, para poder jogar as garrafas numa posição boa, sem correr o risco de ser atingida.  Então eu joguei a primeira garrafa para o alto. Enquanto o objeto de vidro caía num movimento oblíquo, Nick atirava diversas vezes, mas a garrafa só quebrou quando caiu no chão

-Manda a próxima. - ele pediu.

Joguei mais outra e novamente, Nick não acertou. Acho que já sabia qual era o seu erro, mas mesmo assim continuei a jogar mais algumas vezes para ver se ele pegava o jeito sozinho e acertava. Como eu previ, Nicholas não acertou.

-Tá, dessa vez eu me rendo. Agora está muito mais difícil.

-Não se você souber onde a garrafa irá cair. Ela faz um movimento oblíquo antes de atingir ao chão certo? Não é muito diferente com os humanos. É só prestar atenção no seu ritmo e movimento. Depois é só atirar, não onde ele está, mas onde ele estará daqui a poucos segundos, entendeu?

A sua expressão de confusão se relaxou e deu lugar a um sorriso fechado de satisfação.

-Acho que eu já saquei.

-Então vamos tentar mais um vez. Lá vai.

Joguei mais uma. No primeiro tiro ele não acertou, mas no segundo atingiu em cheio a garrafa e a quebrou ainda no ar. Fizemos mais umas poucas vezes, porque Nick já tinha pegado o jeito e o quintal já estava todo sujo de cacos de vidro.

Demos uma parada para o almoço. Pedimos comida por Delivery de um restaurante daqui por perto, porque não tinha como eu preparar alguma coisa hoje. Além do mais, a comida de lá é muito boa e quase sempre pedimos por telefone. Nós três almoçamos tranquilamente. Chad se soltou um pouco mais depois que eu conversei mais com ele. E aparentemente, Nick não prestou muita atenção na quietude dele ou talvez não levou muito a sério. Bom.

Quando estava perto do sol se por, nós três ainda estávamos treinando a parte da defesa física corpo a corpo. Primeiramente, demos umas dicas e truques fáceis de luta, os principais golpes de artes maciais como Krav Maga, principalmente. Eu e Chad não somos “experts” em luta, mas sabemos nos defender bem graças aos treinos rigorosos de Steve. Ele sempre nos dava aulas de alguma coisa entre os golpes para aprimorarmos.

Numa das simulações que a gente estava fazendo, Chad segurava Nick com uma "gravata", seu braço ao redor do pescoço para o imobilizar. A outra mão puxava a outra para segurá-lo com mais firmeza.

-Nick, vire a cabeça para o lado, para formar um pequeno vão entre o braço dele o seu pescoço. - eu o instrui e ele virou sua cabeça. - Coloque suas mãos neste vão e empurre o braço dele para baixo.

Nick fez exatamente isso. E rapidamente, ele escapou de Chad. Mas Chad não desistiu da pequena simulação e continuou com a briga de mentira.

-Um simples gesto pode derrubar o seu adversário sem precisar fazer muita força. O mesmo pode acontecer com você. Então sempre esteja na defensiva. - Chad dizia enquanto caminhava em círculos com os punhos fechados próximos ao seu rosto. Nicholas fazia o mesmo, concentrado nos movimentos que o loiro fazia.

Os dois caminharam poucos passos formando um círculo. Chad o atacou com o cotovelo indo em direção ao abdome de Nick, mas o meu namorado segurou firmemente o antebraço de Chad para impedir o golpe, mas deixando o seu corpo vulnerável por alguns segundos, já que seus braços se distanciaram do corpo, torcendo o braço para o lado. Obviamente, sem muita força, porque não é uma briga  a vera.

No mesmo segundo da defesa de Nick, Chad usou a sua mão livre, aberta e levemente em formato de concha, para atacar a curvatura da mão uma area sensível da garganta, um pouco acima do vão entre as claviculas. Foi um golpe simples, mas o suficiente para fazer Nick largar o seu braço e cair no chão. Droga, isso dói! Nicholas sentou sobre o chão, enquanto tossia. Eu corri até ele pra ver se estava tudo bem.

-Você está se sentindo bem? - eu perguntei preocupada. Eu me agachei na sua frente e pousei minhas mãos em seu rosto.

Ele assentiu um pouco ofegante. Tossiu mais uma vez e respondeu. -Eu to bem. Mas que porra de golpe foi esse?! - Nick perguntou surpreso pro Chad. Ele não parecia irritado, apenas foi pego de surpresa. Realmente foi uma coisa rápida e simples. Ao contrário dele, eu simplesmente tentava segurar a minha fúria.

Eu me virei com um olhar mortal para o meu amigo que nos encarava em pé, com uma expressão indiferente. Não foi a primeira vez no dia que ele machucou Nick com os seus "ensinamentos de golpe". Tudo bem. Nicholas precisa aprender, mas sei que no fundo Chad fazia de propósito. Tudo graças aos seus ciúmes imbecis. Chad tinha que lutar com o Nick porque os dois têm mais ou menos a mesma altura e mesmo peso. Esse foi um dos motivos que eu o chamei aqui, mas eu não esperava que ele fosse estúpido.

-Que merda você tem na cabeça? Eu não falei para você para não lutar para valer? É só uma droga de simulação. - eu reclamei, levantando o meu tom de voz.

-Se eu não fizesse isso, Nicholas nunca teria noção de como funciona o golpe.- ele se defendeu, cruzando os braços.

-Deixa pra lá, Miley. -diz Nick.- Eu não me machuquei tanto quanto você acha. E se ele não levasse a vera, eu não teria aprendido o que eu aprendi.- ele levantou com paciência e eu levantei também, só que irritada. - Relaxa, Miles. - ele beijou a minha bochecha.

-Quer saber? Chega de lutas e treinos por hoje. Outro dia eu te ensino mais coisa. - eu disse para o Nick forçando um sorriso para ele.

-Tá tudo bem... Eu já disse. - Nick insistiu tranquilo. -Eu não to sentindo mais nada. Só foi na hora mesmo.

-Desculpa, cara. Não era minha intenção te machucar tanto. - Chad deu uns tapinhas no ombro de Nick. - É porque eu fui treinado apanhando do mesmo jeito. - ele deu uma pequena risada. A segunda parte até que é verdade, mesmo.

-Tio Steve era ignorante que nem você. - eu resmunguei de braços cruzados.

-Sem problemas. - Nick respondeu para Chad com um pequeno sorriso.

-Nicky, deixa para outro dia mesmo. A gente ainda tem que limpar toda aquela bagunça de vidro estraçalhado e está ficando tarde.

Ele suspirou. - Ta bom... Eu vou tomar um banho porque eu estou pingando de suor. - não era pra menos. Ele treinou bastante chutes, socos e outros golpes durante a tarde quente e ensolarada de hoje. Chad e eu estávamos no mesmo estado. Eu estou um pouco menos, porque eu não treinei tanto, mas mesmo assim já me sentia cansada.

-Acho que é minha hora de ir para casa e tomar um bom banho também. - disse Chad, suspirando.

-Tchau, Chad. - Nick fez um cumprimento de mão com Chad.

-Tchau.

-Vou te levar até a porta. - eu disse para o loiro.

Nós fomos até a saída da casa. Nick já havia subido para o banheiro, então estávamos a sós. Eu fechei a porta atrás de mim e cruzei os braços em frente ao peito. Antes que ele pudesse escapar e ir embora, eu me pronunciei.

-O que foi aquilo, Chandler? - eu o chamei pelo seu nome verdadeiro, deixando claro a minha raiva.

-O que você quer que eu fale? Foi impulsivo, tá bom? Eu estava com raiva. Eu vi vocês se beijando e... - ele sacudiu a cabeça. - Deixa pra lá.

-Você bateu nele pra valer! - eu continuei irritada. - Isso é covardia.

-Covardia. - ele repetiu a palavra com desdém. -É ele quem dorme com você todas as noites. Eu ainda tenho que encarar vocês se beijando como se fosse super natural para mim. Tem certeza que só aquilo foi covardia?

Eu sei que é um assunto delicado, mas eu não posso passar mão por cima dele depois disso. Respirei profundamente e continuei com um tom de voz menos estridente.

-Você não pode descontar no Nick. Ele não tem culpa, ok? O problema é entre eu e você.

-Problema? Então agora o meu amor por você é problema? - ele perguntou claramente chateado.

-Por favor, Chad. Não complica ainda mais as coisas. Você sabe que não foi isso que quis dizer.

-Tá, desculpa. - ele pediu de qualquer jeito, querendo encerrar o assunto. Ele não tinha mais paciência para falar sobre aquilo.

-Eu não quero que o Nick sofra por causa disso. E nem que ele saiba. Eu só não quero que a situação piore.

-Talvez se... - eu sabia muito bem o que ele iria dizer. Então eu o interrompi.

-Não quero que você fique longe de mim. A nossa amizade não pode acabar por causa disso. Eu amo você, mas como meu amigo.

Ele assentiu ainda desanimado. - Eu também te amo. - sussurrou. Então ele se afastou de mim. Eu pensei que ele estava indo embora, mas só foi pegar alguma coisa no seu carro. Era um presente. Uma caixa embrulhada com um laço vermelho em cima. Ele me entregou. - Só abra amanhã. - então me deu um beijo carinhoso na testa. -Feliz aniversário adiantado, Miles.

-Então quer dizer que você não vem amanhã? - eu perguntei.

-Talvez sim, talvez não. Por via das dúvidas, decidi entregar o seu presente hoje mesmo.

-Obrigada. - murmurei baixo

Chad deu um leve sorriso. -Desculpa se eu fui estúpido.

-Está desculpado só porque ganhei presente. - fiz uma cara de esnobe e ele riu verdadeiramente.

-Eu deveria ter te entregado antes de gritar comigo.

Dessa vez eu ri. -Idiota! É óbvio que eu continuaria gritando.

Ele caminhou até o seu carro. 



Segundos depois, o motor já estava ligado, pronto para partir. Seus olhos verdes me encararam mais uma vez e depois o grande automóvel, voltou para a estrada e foi embora a toda velocidade, como sempre.

Entrei de volta na casa. Eu simplesmente odiava ficar nessa situação, sabendo que eu estou magoando o Chad e escondendo coisas de Nick. O pior de tudo é que não tem nada para que eu possa fazer para resolver isso.

 Suspirei e subi para o segundo andar. Caminhei até o nosso quarto e Nick ainda estava no banho. Daqui eu podia ver o quão tentador estava quanto eu o assistia a água escorrer por todo o seu corpo nu. Isso é provocação demais para um mulher só.

Guardei o presente de Chad no closet para que eu abra só amanhã como ele pediu.

Quando eu voltei para o quarto, Nick saia do banheiro só com a toalha enrolada na sua cintura e com a outra secando o seu cabelo. Ele sorriu para mim com aquela cara de convencido. Ele sabia muito bem que eu estava louca para agarrá-lo agora mesmo e fazer tudo o que se passava na minha mente suja. Eu me sentei na ponta da cama e dei umas batidinhas ao meu lado. Nick se sentou sem tirar os olhos dos meus.

Eu me sentei em seu colo, deixando uma perna de cada lado de seu corpo, sobre apenas uma toalha que me separava do paraíso que já dava o sinal de vida. E que sinal de vida!

-O que você trouxe pro quarto? - perguntou o Nick com curiosidade, enquanto fazia movimentos circulares sobre as minhas coxas com as suas mãos.

-O meu presente de aniversário. - eu peguei a outra toalha que estava sobre o seu ombro e terminei de secar seus cachos. Eu fazia movimentos suaves e relaxantes sobre a sua cabeça e eu podia ver seus olhos se fecharem por alguns instantes. -Chad me entregou hoje porque não sabe se poderia vir amanhã. Então ele me pediu para abrir só amanhã.

-Você ficou muito irritada hoje com ele. Isso tudo só porque ele deu alguns golpes. Acho que foi um pouco demais. - ele comentou.

-É, eu sei... Nós já nos entendemos. Mas você sabe que eu detesto te ver machucado! E eu pedi para que não fosse para valer. Ele foi teimoso e não me escutou.

-Eu não ligo de me machucar.

-Ah não, senhor macho alfa? - eu perguntei brincando. Eu joguei a tolha para qualquer canto do enorme quarto. Ele riu.

-Claro que não. Primeiro, porque eu sou o macho alfa como você disse. - ele abriu um sorrisinho de lado. -E segundo, que eu sempre vou ter você aqui para me cuidar. - ele piscou.

-Ah, seu espertinho. - eu dei um tapa no seu braço. Ele deu uma gargalhada gostosa. - Mas falando sério agora, está doendo?

-O que?

-Os lugares que você apanhou. A garganta, principalmente. - eu toquei com a ponta dos dedos o local. - Aquilo realmente dói. - eu comentei.

-Não, quer dizer, nada demais... Só um pouco. - Nick deu de ombros.

-Awn, coitadinho. - eu disse antes de encher seu pescoço de beijos. Ele jogou a cabeça para trás enquanto eu beijava carinhosamente a sua pele.

-Ah Miley... A verdade é que eu to sentindo dor em vários lugares. - ele disse. Eu me afastei do seu pescoço para olhar o seu rosto. - Um deles é a minha boca.

-Ah é? Eu não me lembro de você levar um golpe na boca.

-Sabe como é... Foi um reflexo que veio na verdade de golpe em outras partes. Aí a dor refletiu na minha boca. - seu olhar moleque me dava vontade de sorrir ainda mais.

-Se for assim... - eu coloquei meus dedos entre seus cachos ainda úmidos e juntei meus lábios nos seus em um suave selinho. Então eu dei mais outro. -Sarou? - eu perguntei para Nick que negou com a cabeça com aquele sorriso sapeca no rosto. Eu dei mais outros selinhos em sua boca e depois puxei o seu lábio inferior entre os meus. Suas mãos param em minhas costas na altura da minha cintura, me puxando ainda mais para si. Brinquei mais uma vez com os seus cachos. Seus cabelos macios contra os meus dedos. Suguei seus lábios com suavidade, aproveitando a textura da sua boca. Abri meus olhos por um instante e os seus olhos se abriram também. Eu estava tão próxima daquelas íris cor de chocolate, que chegavam a ser hipnotizantes. Suguei mais uma vez seus lábios. Fechei novamente os olhos, para aproveitar o momento. Sua língua acariciou os meus lábios, então eu os abri. Pequenas correntes elétricas percorriam o meu corpo, quando minha pele se arrepiou com o modo gostoso que sua língua acariciava a minha. Um beijo lento e molhado que simplesmente poderia durar a noite inteira.

Chad vacilão kkkkkkkkkkk Acho que algumas pessoas já devem estar com raiva dele, mas entendam a situação do coitado, também, né?

Povo, tem uma amiga minha que posta fics Niley divasticas, mas que não recebem a quantidade de comentários que merece. É até um desperdício ver tanta gente sem ler as fanfics dela. São muito boas, são super fofas e os hots são tops ;D kkkkkkkkk Entrem lá:

My heart beats for love

Start something good

Não vão de arrepender!!!

Não deixem de comentar, pessoal!!! Quanto mais comentários, mais rápido eu posto o capítulo 2. Vamos lá! Aposto que muitas de vocês devem estar ansiosas para as tretas que vão vir por aí kkkkkkkkk Ah! Já respondi os comentários dos posts passados.

Beijos!

18 comentários:

  1. Nick Gostosão *o*
    Posta logo <3
    Pela amor de Deus está perfeito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. postei no meu blog http://tudoqueeumaisqueroevoce.blogspot.com.br/2014/01/ex-women-o5.html

      Excluir
    3. Muito tesudo, né? *abanando aqui* rs
      Obrigada pelo coment <3
      Beijos!

      Excluir
  2. Ai esse Nick socorro
    Muito diva sua fic
    Posta logo :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ninguém se aguenta com esse gostoso! kkkkkkk
      Obrigada, linda! Seja bem-vinda!!
      Beijos

      Excluir
  3. Nick, pq vc tinha que ser tão gostoso assim??? rsrsrs
    Vc tinha que parar ai, sem nenhum hot? kkkk.
    Tenho que dizer... Esse Chad é realmente gostoso. Claro que não chega aos pés do Nick, mas dá pro gasto kkk.
    Valeu pela divulgação. :-)
    Posta logooo.
    Kiss!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pi pi pi pi pi pi (alarme de leitora fogosa rs)
      Acalme a piriquita! kkkkkk
      Confesso que o Nick é uma perdição, mas tem que esperar um cadinho! kkkkkkkkk Pow, primeiro capítulo, né? Eu também amo hot niley, mas assim eu assusto as leitoras mais comportadas u.u kkk Mas fica tranquila que quando rolar hot niley, vai valer a pena!
      Eu sempre imaginei o Chad como o Garret <3 Esse ator é muito tesudo e combina demais com o personagem. É minha filha, a Miley não ta mal não, hein! Dois gostosos desses apaixonados por ela. Eu que sou escritora até tenho inveja ;D kkkkkk
      De nada! Você merece!!!
      Beijos
      Obrigada pelo comentário!

      Excluir
  4. Como vc para numa parte dessas?
    Estou aqui quase tendo um treco O.O
    Posta logooooooo'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpa kkkkkkkk Mas você sabe, primeiro capítulo tenho que ser um pouquinho comportada na estreia da nova temporada, senão vão pensar que vai ser pornô all the time kkkkkkk Mas logo, logo, vai ter um hot! :3
      Obrigada pelo comentário e seja bem-vinda! :D
      Beijos

      Excluir
  5. nova leitora :D sua fic esta de parabéns!
    by: leticia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hey, seja bem-vinda!! :D
      Obrigada, querida!!!
      Beijos

      Excluir
  6. Eu to com vontade de matar o Chad, que idiota machucando o Nick... engraçado que o Nick é tão ingênuo que nem percebe nada haha
    Posta logooo! !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabia que alguém ia ficar com raiva dele kkkkkkkk Ele vacilou, mesmo! Nick é sempre lerdo kkkk
      Obrigada pelo comentário!!!
      Beijos

      Excluir
  7. perfeito o capitulo, Niley <3
    Quero saber também quando vai atualizar 'O marido de uma estrela', desde agosto que não posta nenhum capitulo poxa :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!! <3
      Linda, infelizmente eu não vou mais postar O marido de uma estrela. Só vou deixar com primeira temporada, mesmo. A inspiração não fluiu e eu estou com o outro projeto com a Amy Jonas para postar outra fic :)
      Beijos

      Excluir
  8. nicholas, caralho, pq tão gostoso?
    niley cara, tão fofoos! como você foi parar logo ai? poxa, quero hoot! djfhxzcv
    sou santa '-' poste logo amiga! bjões

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque sim, porque ele tem que levar geral a loucura, inclusive eu. kkkkkkkkkkkkkkk
      Mais outra pervertida! kkkkkk Calma, os hots estão chegando!!!
      Aham, você é tão santa quanto eu u.u
      haha Beijos!!!
      Obrigada pelo comentário!

      Excluir